quinta-feira, dezembro 27, 2007

Reajustes no plantel

O Benfica começa a fazer alguns acertos no plantel e a meu ver bem: Miguelito é carta fora do baralho, vendido definitivamente ao Sp.Braga, para além de Bergessio e André Dias que voltam à Argentina donde nunca deviam ter saído, isto enquanto Dabao, Miguel Vítor, Romeu Ribeiro e Fábio Coentrão serão emprestados, uma medida que nesta altura faz todo o sentido, pois estes miúdos o que precisam é de jogar. Fica por saber se, na reabertura do mercado, vamos conseguir preencher convenientemente as lacunas que existem na equipa. Espero, sobretudo, que haja olho clínico nas contratações por forma a que o plantel seja reforçado em qualidade e não apenas em quantidade como por norma tem acontecido. Se for para fazer as asneiras habituais é preferível ficarmos quietinhos.

sexta-feira, dezembro 21, 2007

Sorteio conveniente

Não nos podemos queixar do sorteio da Taça UEFA. Eliminar um dos últimos do campeonato alemão parece, à primeira vista, uma tarefa perfeitamente ao alcance das possibilidades do Benfica. Ainda assim, só o melhor Benfica poderá encarar a eliminatória com optimismo, pois aquele que vimos actuar na 1ª parte frente ao Estrela da Amadora é um adversário que, pela sua fragilidade, qualquer equipa deseja enfrentar.

Mais um jogo igual a tantos outros

Este Benfica já não nos consegue surpreender. Cada jogo é uma réplica do anterior em que se consegue ir de um extremo ao outro em termos exibicionais. A regularidade, condição fundamental das equipas que querem ser campeãs, não é uma característica do actual Benfica. Nem deste, nem do Benfica das últimas duas décadas. Não admira por isso que andemos a penar por títulos desde há tantos anos. Muito mais do que os que seriam de esperar.

sábado, dezembro 15, 2007

Derrota merecida

Era um jogo que se antevia difícil e assim acabou por acontecer com o Benfica a somar mais uma derrota. Frente a adversários tecnicamente evoluídos os jogadores encarnados denotam sempre grandes dificuldades dada a sua pouca apetência pelas tarefas defensivas. É sabido que o meio-campo do Belenenses é um sector forte, com jogadores que tratam a bola por tu e que pouco pressionados sabem fazer valer as suas reconhecidas qualidades técnicas. Em nenhum momento do jogo o Benfica soube contrariar esta virtude do adversário e pagou um alto preço por isso. Camacho bem apelou para a necessidade de se vestir o fato macaco mas os jogadores resolveram não acatar as recomendações do seu técnico e como resultado dessa desfaçatez ficámos colocados a 10 pontos da liderança. Aparentemente esta diferença face ao F.C. Porto em nada preocupa os jogadores que já não acreditam na possibilidade de conquistarem o título. A atitude que eles hoje emprestaram em campo é ela própria reveladora do seu estado de espírito. Deitaram a toalha ao tapete e quando assim é pouco há a fazer por muito empenho que o espanhol tenha em contrariar esta situação.
O 2º lugar passa a constituir o nosso objectivo prioritário, mas a perder pontos com esta facilidade arriscamo-nos a entregar a outros essa possibilidade. A vantagem confortável que detínhamos sobre o Sporting pode começar a ser encurtada se os verde-brancos vierem da Madeira com uma vitória. Depois da nossa derrota não lhes faltará motivação e sabe-se que uma equipa motivada é meio caminho andado para conseguir os seus objectivos.
Triste Benfica este que tarda em acertar o passo. Os campeonatos vão-se sucedendo e os títulos que noutras épocas conquistávamos com regularidade são agora uma miragem. A sportinguização do Benfica é hoje uma realidade incontornável por muito que isso nos faça doer o coração. Nunca pensei que viéssemos a viver uma situação destas mas a verdade é que ela assentou arreais e está para ficar. Por muitos e bons anos. Lamentavelmente.

segunda-feira, dezembro 10, 2007

Em frente na Taça de Portugal

Depois de uma 1ª parte descansada em que fomos donos e senhores do jogo, nada fazia prever que o Benfica afrouxasse de forma acentuada o que permitiu que a Académica tomasse conta da partida. O frango de Butt contribuiu e muito para este desenrolar dos acontecimentos pois, após o golo, a Académica sentiu que ainda podia discutir a eliminatória. Valeu, mais uma vez, Cardozo, a pôr ordem na casa e a colocar um ponto final nas ambições coimbrãs. O paraguaio tomou o gosto aos golos e agora parece não querer outra coisa: quatro em dois jogos é de facto uma boa colheita e oxalá este surpreendente registo não tenha um fim à vista. Só é pena que Nuno Gomes não queira seguir as pisadas do sul-americano. A nossa “Amelinha” que, noutros tempos, evidenciava uma certa apetência pelo golos, parece ter desaprendido essa função e hoje, por muito cantadas que sejam as oportunidades para o fazer, invariavelmente, o homem de Amarante, desaproveita o ensejo. E com a idade que já tem também não é de crer que volte a adquirir essa capacidade. Perante este cenário é evidente que o Benfica terá necessidade de na reabertura do mercado avançar para a contratação de mais um avançado. Mas tem de ser um daqueles que, efectivamente, façam golos pois dos outros já nós temos que chegue.
Na próxima eliminatória é favor calhar-nos um dos adversários mais fracos, de preferência de um escalão inferior. F.C. Porto ou Sporting é que não conviria nada, muito menos no reduto deles. A sair-nos em sorte um destes emblemas que ao menos o defrontemos em nossa casa. É que Donetsk não se repete todos os dias!

quarta-feira, dezembro 05, 2007

Saborosa e importante vitória

Finalmente uma alegria. Confesso que o meu reconhecido pessimismo, face ao valor do actual Benfica, não perspectivava uma vitória na Ucrânia. Ainda bem que as coisas não se passaram de acordo com as minhas previsões pois isso significa que nos mantemos na Europa, não na competição mais desejada, é certo, mas, ainda assim, numa competição que nenhum clube desdenha conquistar. Para além disso, esta qualificação para a Taça UEFA, irá permitir-nos um encaixe financeiro que até pode ser significativo, caso consigamos atingir uma fase adiantada da prova. E essa possibilidade está perfeitamente ao nosso alcance dado que, com excepção do Bayern de Munique, não vislumbramos nenhuma equipa cujo valor seja inacessível à actual capacidade do Benfica.
O jogo de ontem foi um teste à capacidade de sacrificio dos nossos jogadores. E não se pode dizer que eles não corresponderam às exigências que o valoroso adversário lhes criou ao longo da partida, com especial destaque para os primeiros 45 minutos. Nesse período o Shaktar carregou sobre nós, desenvolveu um futebol rápido e acutilante, o que colocou os nosso jogadores em palpos de aranha para suster o seu ímpeto atacante. Não fossem os golos de Cardozo, num período em que nada tínhamos feito para justificar a vantagem no marcador, e, muito provavelmente, estaríamos hoje a analisar o nosso afastamento das competições europeias. O avançado paraguaio terá sido o elemento decisivo nesta vitória em terras da Ucrânia e, verdade seja dita, jogou como nunca o tinha feito desde que chegou ao Benfica. Que bom seria se mantivesse este nível exibicional.
Mas nem só de Cardozo viveu o Benfica. Luisão esteve a grande altura, Rui Costa foi crucial no 2º tempo, bem como Petit e Katsouranis que, neste período, formaram uma parede intransponível às investidas atacantes do adversário. Isto já para não falar de Quim que continua a mostrar que está no melhor momento da sua carreira. David Luiz também esteve em bom plano, embora aquele gesto irreflectido pudesse ter deitado tudo a perder. Nos restantes jogadores valeu sobretudo a entrega ao jogo já que as exibições não deixaram motivo para grandes elogios.
Acabo como comecei: o meu Benfica deu-me finalmente uma alegria. Também já era sem tempo!

domingo, dezembro 02, 2007

Balde de água fria

Não conseguimos repetir a exibição frente ao Milan e isso foi fatal para as nossas aspirações. Precisávamos de estar ao nosso melhor nível e não estivemos. Fomos uma equipa medrosa, abusámos do individualismo, não fomos pressionantes, cometemos falhas técnicas inconcebíveis (veja-se a quantidade de maus passes e recepções de bola mal feitas) e tudo isto contribuiu, e de que maneira, para o resultado final. O F.C. Porto provou ser mais forte, mais experiente e mais crente nas suas capacidades. No duelo táctico Jesualdo Ferreira também ganhou a Camacho, embora seja justo referir que não foi por causa das opções do espanhol que perdemos. Nem sequer do árbitro nos podemos queixar pois fez uma arbitragem imparcial e sem casos.
Com esta derrota o Benfica hipotecou as suas possibilidades de conquistar a Liga. Na próxima semana, muito provavelmente, sairemos da Europa. É triste verificar que no início do mês de Dezembro tenhamos a época praticamente perdida. A partir de agora os nossos objectivos limitar-se-ão em assegurar o 2º lugar no campeonato e em conquistar a Taça de Portugal. Muito pouco para quem almejava grande conquistas para a presente temporada.

sexta-feira, novembro 30, 2007

Receita para amanhã

A receita para o jogo de amanhã é simples: uma exibição igual à de quarta-feira e abrem-se excelentes perspectivas de vencermos o F.C. Porto; pelo contrário, se jogarmos como o temos vindo a fazer nos restantes jogos então é de prever o pior. Não sei se é o jogo do ano, sei é que nesta altura face aos quatro pontos que levamos de atraso para os nortenhos não nos resta outra solução que não seja vencer a partida. Não pode haver lugar à derrota nem ao empate. É o jogo do tudo ou nada. Exige-se que os jogadores dêem tudo o que têm, joguem o que sabem e deixem a tremideira no balneário. No final dos 90' espero que tenhamos motivos para festejar.

quarta-feira, novembro 28, 2007

Este é o Benfica que eu quero

Finalmente uma exibição decente. Fizemos o melhor jogo desta época e tivemos a oportunidade de vencer o Milan, algo que a acontecer teria sido merecido face ao que produzimos em campo. Empatar frente a um adversário desta dimensão não deslustra, bem antes pelo contrário, e só foi pena a vitória do Celtic já no período de descontos que nos retirou o ensejo de continuarmos na Liga dos Campeões. Esperemos, no entanto, que esta excelente exibição nos dê a motivação e a moral necessária para no próximo fim-de-semana derrotarmos o F.C. Porto, num jogo em que estamos condenados a ganhar isto se quisermos continuar a manter intactas as nossas aspirações de vencer a Liga.
O jogo desta noite constituiu de facto uma agradável surpresa. Todos os jogadores estiveram em bom plano, alguns excederam as melhores expectativas, como foi o caso de Luís Filipe e do próprio Maxi Pereira, tendo até Camacho evidenciado uma boa leitura do jogo ao fazer as substituições que se impunham e arriscando tudo para ganhar.
Agora, todos nós benfiquistas, vamos querer saber qual de facto é o verdadeiro Benfica: se o desta noite com o Milan ou aquele que tão pobres exibições nos tem oferecido nos palcos nacionais. Os próximos jogos ditarão se este foi apenas um jogo de engate ou se esta exibição vai ter continuidade e é fruto do trabalho que tem vindo a ser realizado. A identidade da equipa vai por isso ser posta à prova e já frente ao F.C Porto. Depois, ainda teremos a cartada na Ucrânia que não pode ser desperdiçada. É que se queremos um Benfica forte e prestigiado não nos podemos dar ao luxo de sair das competições europeias logo em Dezembro.

terça-feira, novembro 27, 2007

Um tipo está sempre a aprender

Cajuda, apesar da derrota, destacou a extraordinária exibição da sua equipa. Pensava eu que as exibições extraordinárias garantiam vitórias. Pelos vistos já não é assim. Jogar mal começa a ser condição necessária para se obterem bons resultados. Agora percebo porque é que o meu Benfica tem vindo a ganhar jogos últimamente.

domingo, novembro 25, 2007

Vitória enganadora

Se tivesse havido justiça o Benfica não teria saído de Coimbra com os três pontos. Como a vitória aconteceu, esquece-se a exibição descolorida e enaltece-se a capacidade de sofrimento e a entrega de todos os jogadores. Com isso mascara-se o mau momento encarnado e vaticina-se um futuro risonho para a equipa que acabará, julgarão alguns, com a conquista do campeonato. Esquecem-se os benfiquistas que numa prova com trinta jornadas muito dificilmente se ganha jogando mal na maioria delas. Um dia, inevitavelmente, a sorte deixar-nos-á de sorrir e, nessa altura, acordaremos para a realidade que será dura e dolorosa.

quinta-feira, novembro 22, 2007

Ninguém esperaria que fosse tão difícil

A nossa selecção cumpriu os serviços mínimos e apurou-se para a fase final do Euro. Fizemos uma fase de qualificação pouco deslumbrante mas o que importa é que conseguimos alcançar os nossos objectivos. Scolari não se livrou de uma forte contestação, injusta, digo eu – as pessoas têm memória curta e esquecem-se que antes dele, Portugal ficava invariavelmente fora das grandes competições e mesmo quando estava presente os resultados foram apenas sofríveis ou pior do que isso. Pepe estreou-se a bom nível ficando claro que formará com Ricardo Carvalho uma das melhores duplas de centrais do mundo – nunca Portugal teve tão bons centrais como actualmente. Quaresma continua a demonstrar o porquê de Scolari não o ter convocado no último Mundial. Cristiano Ronaldo já teve melhores dias. Deco, apesar das criticas de alguns que não se conformam pelo facto dele ser brasileiro, continua a ser imprescindível nesta selecção como ficou bem patente nestes dois derradeiros jogos em que foi por demais evidente a falta de um distribuidor de jogo no futebol ofensivo da equipa.
No rescaldo desta fase de grupos tivemos ainda a eliminação surpreendente da Inglaterra, a única das grandes selecções a ficar pelo caminho. Agora há que afinar o barco de forma a nos apresentarmos em grande no mês de Junho e desse modo, talvez, quem sabe, conquistarmos o caneco que nos escapou ingloriamente no último Europeu.

domingo, novembro 18, 2007

O que é que se passa?

É verdade que estamos a um ponto do Euro. Mas a jogarmos assim, é de prever que os 90 minutos de quarta-feira frente à Finlândia sejam de grande sofrimento e tremideira. Portugal em toda esta fase de qualificação apenas fez um jogo de qualidade –contra a Bélgica – sendo que todos os outros foram um enorme bocejo. Não sei o que é que se passa mas é evidente que alguma coisa não vai bem no reino da Selecção. É bom que acertem agulhas pois seria uma tragédia ficarmos de fora do Europeu do próximo ano.

sexta-feira, novembro 16, 2007

Mão pesada da UEFA

A UEFA decidiu penalizar Bynia com 6 jogos de suspensão. E, na minha opinião, muito justamente. Aquela entrada sobre o jogador escocês só não resultou numa perna partida por mero acaso. É chegada a hora de, uma vez por todas, estas situações serem devidamente castigadas, sob pena de muitos jogadores verem as suas carreiras terminar abruptamente. Contudo, estranha-se que a mão pesada da UEFA não se faça sentir da mesma forma quando outros jogadores, com outro estatuto e envergando camisolas mais sonantes, cometem o mesmo tipo de agressões. A mão da justiça sempre foi mais pesada com os pobres. O camaronês terá sentido na pele essa diferença.

segunda-feira, novembro 12, 2007

Vitória melhor que exibição

Brindámos o Boavista com uma goleada e, mesmo assim, não gostei de ver jogar o meu clube. O resultado é enganador e não traduz as dificuldades por que passámos durante grande parte da partida. Até à expulsão de Mateus o jogo foi equilibrado e os nossos jogadores mostravam-se claramente desinspirados. Depois do 2º golo, os níveis anímicos dos boavisteiros entraram em derrapagem e, aí sim, o Benfica começou a desenvolver um futebol agradável acabando os golos por surgir com naturalidade, tendo ficndo inclusive a ideia de que se o jogo durasse mais uns minutos teríamos alcançado uma goleada histórica.
Espero que a paragem no campeonato permita recuperar Petit e David Luiz cujas ausências já suscitam grandes saudades – especialmente o primeiro – tal a influência que têm na equipa. A entrada do brasileiro permitirá a subida de Katsouranis para o meio-campo com o consequente afastamento de Bynia que, apesar de denotar uma enorme entrega ao jogo, ainda não tem estaleca para ser titular. O “pitbull” sabe ocupar os espaços como ninguém e, além disso, consegue ter um rendimento ofensivo bem superior ao do camaronês. Com a inclusão destes dois elementos a equipa ganhará uma maior estabilidade e uma nova dinâmica o que permitirá melhorar, os nossos níveis exibicionais. É o que eu espero e estou convicto que é isso que vai suceder

terça-feira, novembro 06, 2007

Cansa ter sempre razão

Bem que eu gostava de não ter razão mas o que acontece é que a tenho sistematicamente. É muito raro os meus vaticínios não baterem certos, do mesmo modo que é muito raro que as minhas análises sobre o Benfica não se venham a confirmar como as mais correctas.
Tinha aqui prognosticado uma derrota na Escócia e um consequente afastamento da Liga dos Campeões e estas duas situações vieram a verificar-se. Tenho constantemente dito que Camacho não percebe nada de futebol e hoje, mais uma vez, esse facto veio a ser confirmado (aquela substituição do Rui Costa nem sequer um treinador de vão de escada teria coragem de a fazer, tal a imbecilidade da opção). Também não me tenho cansado de repetir a asneira que foi o desbaratar de dinheiro na contratação de Cardozo que, jogo após jogo, nos demonstra inequivocamente da sua incapacidade para jogar futebol. Enfim, estou farto de ter razão porque isso tem significado derrotas para o meu clube e isso é tudo aquilo que eu não quero. O que eu mais desejo é ver o meu Benfica a ganhar. Mas há que convir que assim é difícil.

sábado, novembro 03, 2007

Ganhar sem saber como

Continuamos na senda das más exibições. Voltámos a ganhar com sorte, reduzimos distâncias para o F.C. Porto, mas esta aproximação é meramente circunstancial não tendo, por isso, qualquer significado.
Camacho continua igual a si próprio: equívocos atrás de equívocos, dando claramente a ideia que de futebol percebe pouco como atesta a sua carreira de treinador. Falando dos jogadores que hoje estiveram em Paços de Ferreira, há que dizer que Cardoso continua a passear a sua “classe” pelos relvados portugueses: parece estar sempre em débito físico, não consegue ganhar uma bola de cabeça, não consegue segurar uma bola, só tem um pé (e há dias, como o de hoje, que nem esse usa convenientemente) o que leva à pergunta recorrente: como fomos capazes de dar 9 milhões de euros por um jogador destes? Bynia sempre muito esforçado, aqui e ali consegue recuperar uma bola, mas a construir jogo é uma nulidade, isto já para não falar das faltas escusadas que não se cansa de acumular jogo após jogo. Luís Filipe é mais um daqueles jogadores que chegam ao Benfica e desaprendem de jogar. De Nuno Assis nem vale a pena falar. E fico-me por aqui, pois de jogadores sem nível para jogar no clube está o Benfica cheio.
Quarta-feira jogamos, muito provavelmente, a derradeira cartada na Liga dos Campeões. Apesar de o Celtic ser um adversário perfeitamente ao nosso alcance, algo me diz que os nossos jogadores vão acusar a responsabilidade do jogo e, muito em especial, o ambiente que vão viver naquele campo. Acusem-me de pessimista, mas a verdade é que as exibições que a equipa vem fazendo não dão azo a que acreditemos nela.

quarta-feira, outubro 31, 2007

Benfica igual a si próprio

Uma competição já ficou pelo caminho. Seguem-se a Liga que está prestes a ser entregue ao F.C. Porto, e uma Liga dos Campeões onde caminhamos a passos largos para a eliminação. Fica a faltar a Taça de Portugal mas, pelo andar da carruagem, é bem provável que seja mais uma competição em que veremos outros a ganhá-la. É o habitual, não há motivo para estranharmos, pois esta tem sido a nossa sina de há muitos anos a esta parte.
Esta noite conseguimos fazer mais uma exibição miserável, desta vez com a complacência de Camacho que, tal como eu havia previsto, fez tudo para sermos afastados e conseguiu os seus intentos. Ao escalonar uma equipa onde a invenção foi a palavra de ordem era de prever que o resultado tivesse sido o que foi. Nem mesmo o golo de penalty de Adu mudou o cariz do jogo que foi sempre de sentido único para a nossa baliza. Ficou provado, para quem ainda tivesse dúvidas, que este plantel do Benfica é uma caricatura de uma equipa que se diz ambiciosa e ganhadora. O espanhol que chegou à Luz como um Deus começa a ver a sua aura a perder o brilho. Os adeptos começam a contestá-lo e, dentro de pouco tempo, será mais um treinador a sair do Benfica pela porta pequena. E assim se vai escrevendo a história de um clube, outrora apelidado de “Glorioso”.

segunda-feira, outubro 29, 2007

Vitória a ferros

Para não variar lá tivemos mais uma vitória sofrida. As exibições é que continuam sem convencer. Os fanáticos dirão que isso é coisa de somenos desde que se continue a ganhar. O problema é que habitualmente as derrotas estão associadas a más exibições pelo que a continuarmos assim é muito provável que as vitórias não venham a acontecer muitas vezes. E como o F.C. Porto já leva uma vantagem considerável e não dá mostras de abrandar o passo, a nós resta-nos vencer todos os jogos que vamos tendo pela frente. Só que para vencer sempre, não basta atitude, é preciso mais qualquer coisa, sobretudo jogar futebol que, lamentavelmente, é algo que não temos conseguido fazer.
No jogo de ontem as notas de destaque, vão para Quim e Adu, ainda que por razões diferentes. O bracarense que até vem fazendo uma boa temporada, a ponto de me surpreender favoravelmente, resolveu borrar a pintura quase hipotecando as nossas possibilidades de vitória. O americano parece suceder a Mantorras como o talismã encarnado. Joga poucos minutos, mas nas vezes que tem entrado já por três vezes resolveu a contenda a nosso favor. Com esta contabilidade a sua entrada nos próximos está praticamente garantida mesmo que só nos últimos minutos das partidas. Para titular ainda está muito verde e tudo indica que Camacho não lhe dará essa oportunidade tão cedo.
Quarta-feira há Taça da Liga. Estamos em desvantagem na eliminatória e o V. Setúbal tem sido uma enorme surpresa nesta fase inicial da temporada. Prevê-se, por isso, mais um jogo complicado e de desfecho imprevisível. Camacho deverá, por certo, fazer descansar alguns titulares e com isso as nossas hipóteses diminuem consideravelmente. Custa-me a aceitar que em Portugal os jogadores não possam actuar duas vezes por semana. No estrangeiro, com um calendário bem mais sobrecarregado e com jogos muito mais competitivos, os jogadores jogam e não se vêem quebras de rendimento. Em Portugal é o que sabemos sem que se encontrem motivos que justifiquem tal atitude. E depois queixamo-nos que nos confrontos europeus as nossas equipas apresentam um menor ritmo de jogo comparativamente com os seus adversários. Pudera!

quarta-feira, outubro 24, 2007

Ganhámos uma batalha mas falta vencer a guerra

Vitória saborosa mas muito sofrida. Uma primeira parte muito mal jogada em que a equipa evidenciou uma grande desorganização e uns bons 15-20 minutos na etapa complementar, foi o que o Benfica conseguiu oferecer aos poucos adeptos que presenciaram o jogo. Desta vez deu para ganhar mas a nossa situação na Liga dos Campeões continua a ser bastante periclitante e com poucas hipóteses de sucesso.
Cardozo fez o seu melhor jogo esta época mas, ainda assim, falhou golos que um ponta-de-lança está proibido de falhar, pelo que terá ainda de provar nos próximos jogos que a sua contratação foi um bom negócio para o clube. Aqueles que hoje colocam o paraguaio nos píncaros (e serão muitos, como é habitual nestas alturas) serão os mesmos que, provavelmente, o criticariam severamente, caso não tivéssemos ganho o jogo. Este é para mim um dos piores defeitos da nação benfiquista que tão depressa idolatra um jogador como logo a seguir é capaz de o rotular de pior jogador do mundo.
Hoje foi mais um dia em que Camacho pecou nas opções tomadas. A inclusão inicial de Bergessio em detrimento de Di Maria é incompreensível. Por muita imaturidade que o jovem argentino revele, a sua capacidade futebolística encontra-se a anos-luz do seu compatriota. Di Maria acelera o jogo da equipa, dá-lhe mais profundidade e consistência ofensiva algo que Bergessio nunca conseguirá fazer. Mas parece que Camacho embirra com o miúdo e, desse modo quem perde é o Benfica e, em última análise, todos aqueles que gostam de ver bons jogadores em acção.

domingo, outubro 21, 2007

Em Setúbal resolve-se o problema

Adu complicou as contas de Camacho ao marcar o golo do empate mesmo nos últimos instantes da partida. Contudo, estou em crer que o espanhol não vai desperdiçar a oportunidade de entregar a eliminatória no próximo jogo em Setúbal. Basta para tanto que mantenha a aposta nos briosos rapazes que jogaram esta noite e o objectivo irá por certo ser alcançado.

sexta-feira, outubro 19, 2007

Não tiveram a maioria dos jogadores descanso suficiente?!

Olhando a lista de convocados para o jogo de amanhã fica a ideia de que o Benfica está com vontade de sair da Taça da Liga o mais depressa possível. Seria bom que Camacho não se esquecesse que esta é talvez a única oportunidade que temos de ganhar uma competição esta época. Infelizmente, ao que parece, o espanhol não tem qualquer interesse em ganhá-la.

sábado, outubro 13, 2007

Um bluf chamado Quaresma

O cigano voltou hoje a demonstrar que é um jogador apenas para consumo interno. Nos jogos internacionais, sobretudo pela selecção mas também pelo F.C. Porto, o seu nível exibicional nunca consegue afastar-se da mediocridade. É uma pena porque tem condições técnicas que lhe permitiriam fazer bem melhor. O problema é que aquela cabecinha não dá para mais. Apesar de haver em Portugal muito boa gente a sobrevalorizar o seu potencial, a verdade é que se começa a perceber que ele não tem condições para singrar fora do país. O facto de não ter pressa em sair do burgo é um sinal claro da pouca confiança que ele próprio tem nas suas capacidades. Os dois anos vividos em Barcelona foram um desastre daí que a vontade de voltar ao estrangeiro não seja muita. Além disso, ele sabe que em Portugal será sempre uma estrela enquanto numa liga europeia de topo nunca ultrapassará a vulgaridade.

quinta-feira, outubro 11, 2007

LFV, desta vez não te intrometas!

A ser verdade o que noticiam os jornais, Camacho quer mais quatro reforços na reabertura do mercado. Se assim for, tenho a impressão que batemos o record de contratações numa só época. Acontece que eu até estou de acordo com o espanhol pois as lacunas no plantel são mais que muitas, apesar da quantidade de jogadores que vieram este ano para o Benfica, a maioria dos quais um erro de casting e cuja responsabilidade vai inteirinha para LFV que, como todos nós sabemos, não se cansa de dar inequívocas provas de ser um asno em matéria de futebol. Esta situação até seria desculpável caso o nosso presidente aprendesse com os erros cometidos. O pior é que o homem teima em não aprender e os resultados estão à vista. Resta-nos acreditar na perspicácia de Camacho e na sua influência junto de LFV para que as asneiras não se voltem a repetir.

domingo, outubro 07, 2007

De mal a pior

De jogo para jogo o nível exibicional tem vindo a decair. Exceptuando a partida com o Nacional, a verdade é que Camacho não trouxe, até ao momento, qualquer acréscimo de qualidade à equipa. E conta com um melhor naipe de jogadores do que aquele que foi colocado ao dispor de Fernando Santos, no início da época. Não quero com isto dizer que Camacho seja responsável pela crise de resultados e de exibições por que passa o Benfica. De forma nenhuma. É óbvio para a maioria dos adeptos benfiquistas que com este plantel muito dificilmente se consegue fazer melhor. Lamentavelmente, todos sabemos que, ao longo da época, jogos, como o de hoje, vão repetir-se amiúde e com resultados bem menos agradáveis.
O que escrevi atrás não invalida que eu pense que Camacho revela evidentes lacunas na forma como organiza a equipa e na forma como lê o jogo. Erra em demasia nestes dois aspectos e isso prejudica notoriamente o rendimento da equipa. A inclusão de Maxi Pereira num lugar para o qual não está minimamente vocacionado não lembra o diabo (se não comprometeu defensivamente a verdade é que nos retirou a possibilidade de atacar por esse flanco); Katsouranis a interior direito não traz benefícios à equipa (já Fernando Santos havia tentado esta possibilidade sem sucesso); Cardozo é uma completa nulidade que, na maioria das vezes, só estorva e que, ainda por cima, tem uma predilecção especial em actuar como central da equipa adversária o que, é bom de ver, só nos prejudica (se com onze já se torna difícil o que dizer jogando nós com um elemento a menos). Depois temos as substituições. Definitivamente o espanhol não sabe fazer substituições. Em regra substitui aqueles que melhor produção estão a ter o que é denunciador de uma enorme falta de senso.
Valha-nos que a paragem para os jogos da selecção vai permitir que Petit já possa dar o seu contributo no próximo jogo o que não deixa de ser uma óptima notícia. A sua presença é imprescindível naquele meio-campo que sem ele é um caos absoluto como pudemos observar nos últimos jogos .

quarta-feira, outubro 03, 2007

Nem para a Taça UEFA nos apuramos

O Benfica não é uma equipa. É um conjunto de jogadores que jogam de forma desorganizada e onde a qualidade futebolística não impera. Quando estes factores se conjugam, inevitavelmente os maus resultados aparecem.
Camacho diz que o problema do Benfica reside na falta de golos. É uma opinião demasiado simplista e falacciosa. É verdade que se não marcarmos golos não ganhamos jogos (La Palisse não diria melhor). Do mesmo modo que para não perdermos é necessário saber-se defender. E o Benfica revelou evidentes carências quer nos processos ofensivos quer nos defensivos: não soube atacar e por isso não marcou golos, do mesmo modo que lhe faltou organização defensiva que permitiu ao adversário marcar um golo nas várias oportunidades que teve para facturar. A derrota pela margem mínima foi de facto lisonjeira face à superioridade dos “ucranianos”.
O problema do Benfica, contrariando a opinião de muitos, está na falta de categoria do plantel que não tem arcaboiço para competir a este nível e nem sequer reúne condições para se afirmar no plano nacional. O tal plantel que LFV acreditava ser o melhor da última década, é uma afirmação risível e feita por alguém que de futebol não percebe peva. Talvez não fosse má ideia que o presidente benfiquista fizesse um exame de consciência e viesse pedir desculpa aos sócios pela catadupa de erros cometidos nos últimos anos. São estes erros que vão minando o Benfica e que nos fazem perceber porque razão os técnicos que vão passando pela Luz falham sistematicamente. Camacho será o próximo treinador a sair pela porta pequena.

segunda-feira, outubro 01, 2007

O árbitro, esse desgraçado!

Eu não percebo como se pode perder tanto tempo a falar em arbitragens. Em Portugal não se discute futebol, discutem-se arbitragens. Quando se perde desculpamo-nos com a arbitragem que nos prejudicou e muito raramente somos capazes de admitir que perdemos porque simplesmente o nosso adversário foi melhor que nós, e por isso, nos venceu.
Do que tenho lido sobre o clássico do fim-de-semana, a esmagadora maioria das crónicas anda à volta da arbitragem e dos erros cometidos por esta equipa, nomeadamente dos penáltis que ficaram ou não por assinalar. Benfiquistas e sportinguistas esgrimem argumentos para saber qual deles foi mais prejudicado pelo trabalho do árbitro. Curiosamente, vá lá saber-se porquê, as opiniões nesta matéria raramente coincidem. A regra é só uma e tem de ser cumprida à risca sob pena de ser insultado pela sua família clubística: o nosso clube nunca é beneficiado; se, por mero acaso, isso sucede, há logo quem venha relembrar as inúmeras vezes em que o mesmo árbitro nos espoliou; nas contas do deve e do haver o clube da nossa simpatia está sempre em débito. Já cansa este discurso. Para quando uma mudança de mentalidades?

sábado, setembro 29, 2007

Teimosia inexplicável

Gostava que Camacho me explicasse porque é que pela segunda vez consecutiva, em jogos em que o Benfica não está a ganhar e necessita de garantir os três pontos, retira Rui Costa a escassos minutos do fim. Será que o cansaço do "maestro" é assim tanto que não lhe permite aguentar mais uns míseros minutos ou será antes burrice do espanhol que teima em retirar o nosso melhor jogador e maior goleador quando ainda há tempo suficiente para que este tenha um momento de génio que nos possibilite ganhar as partidas? O próprio jogador - como, aliás, já deu para perceber- começa a não achar piada à brincadeira. Semelhante disparate cometido por Fernando Santos daria azo a veementes manifestações de desagrado. No caso do espanhol tudo lhe é permitido. Por enquanto.

quarta-feira, setembro 26, 2007

Benfica de eleição

Depois do que vi esta noite tenho de me penitenciar e dar a mão à palmatória. Na verdade, as apreciações que tenho vindo a fazer quanto às exibições do meu Benfica e quanto à qualidade do seu plantel, têm sido completamente desajustadas. Os jogadores menos utilizados deram hoje provas concludentes de que não há motivo para alarme. A capacidade futebolística de todos eles é insuspeita pelo que Camacho pode dormir descansado sempre que tiver de recorrer aos seus valiosos préstimos. Ficou claro para todos os benfiquistas que o titubeante início de época foi apenas um mero acidente de percurso que, a breve trecho, vai ser ultrapassado com natural facilidade. Com este excelente grupo de jogadores que envergam as camisolas gloriosas não há limites para o sonho. A presente temporada vai ser escrita a vermelho. Podem estar certos disso.

terça-feira, setembro 25, 2007

Quem já não atura elogios ao rugby levante a mão

"Mais uma palavra elogiosa sobre a selecção portuguesa de râguebi e a sua paixão pela pátria e o seu amadorismo tão profissional e o seu extraordinário esforço e como devemos estar todos tão orgulhosos e como eles são um exemplo para nós - e eu regurgito. A sério. Se os elogios parvos tivessem açúcar estávamos todos diabéticos.
Agradecia que os admiradores do râguebi não me imaginassem já a ser violentamente placado contra um muro de cimento. Juro por todos os santinhos que nada tenho contra a modalidade. Gosto muito de ver os jogos e quase me comovo com a haka neozelandesa. Mas para tudo existe uma medida certa. Sim, os rapazes portugueses são esforçados. Têm o seu mérito. Parecem simpáticos na televisão. Não são dados a peneiras como os tipos do futebol. E cantam o hino nacional com um tal entusiasmo que se Louis Pasteur fosse vivo ainda os vacinava. Mas daí a transformá-los nos maiores heróis da Nação só porque andam num campeonato do mundo a perder os jogos todos (e por muitos) é capaz - digo eu - de ser um bocadinho exagerado.
Dir-me-ão: "Ah, e tal, são amadores, passaram muitos anos a lavar as suas próprias camisolas, e veja onde eles chegaram." Até pode ser. Embora, tendo em conta os estratos sociais de onde vem a maior parte daquela rapaziada, seja bem mais provável que tenha sido a dona Mariazinha ou a menina Svetlana a lavar-lhes a camisola. Mas passemos ao lado das questões de classe, ainda que elas expliquem muita coisa. O certo é que, mesmo tendo em conta os objectivos (modestos) anunciados, a selecção ainda não cumpriu nenhum. Contra a equipa da Escócia os portugueses queriam perder por menos de 30 e encaixaram 56-10. Contra a Nova Zelândia queriam que os All Blacks não chegassem aos 100 pontos e perderam por 108-13. Contra a Itália nem percebi qual era o objectivo e levaram 31-5.
Mas o mais extraordinário é que, percam por quantos perderem, os "lobos" têm sempre garantidas umas festas na cabeça por parte da comunicação social. Título do Público após o 31-5: "Ficou a sensação que era possível derrotar a Itália." Ficou a sensação, ficou. Eu às vezes também tenho a sensação que podia jogar melhor à bola que o Messi. Que podia ser mais esperto que o Bill Gates. E que a Nicole Kidman podia perfeitamente sussurrar-me ao ouvido: "Ao pé de ti, o Tom Cruise é um badameco." São sensações. Não costumo é puxá-las para título de jornal. Mas, de quando em quando, a Pátria dá nisto: elege os seus heróis, fecha as cortinas do pensamento, e chora muito a ouvir o hino nacional. É esquisito. Mas é assim".

João Miguel Tavares
Diário de Notícias

P.S. Eu levanto a mão

segunda-feira, setembro 24, 2007

Contra factos não há argumentos

Bastaram apenas cinco jornadas para que o F.C. Porto possa desde já encomendar as faixas de campeão. Nada que nos deva espantar. Com mais ou menos dificuldade, tem sido sempre assim nas últimas duas décadas.
Ciente deste facto, Camacho quase que atirou a toalha ao tapete pois já vai dizendo que o importante é que o Benfica se apure para a próxima edição da Liga dos Campeões, mesmo que seja através do 2º lugar no campeonato. O espanhol não é parvo e já percebeu, até pela anterior passagem pelo Benfica, de que o F.C. Porto é um adversário inacessível para a concorrência. Bem podem Sporting e Benfica renovar os seus plantéis, apostar em novos treinadores, proceder às mais variadas formas de angariação de fundos que no final o resultado é invariavelmente o mesmo: quem se senta à mesa do sucesso são inevitavelmente, Pinto da Costa e seus "muchachos".
Por mais quantos anos vamos ter de gramar uma Liga portuguesa tão previsível e desinteressante?

domingo, setembro 23, 2007

Vira o disco e toca o mesmo

Demorou pouco para começar a ser contestado. Depois de elevarem Camacho à condição de Deus, os seus acérrimos defensores começam a colocar os pés na terra. É o habitual, sempre que os resultados positivos não acontecem no Benfica. "Venha o próximo treinador que este não presta", dirão dentro de poucos semanas os mais impacientes.

sexta-feira, setembro 21, 2007

Derrocada

Um descalabro total é o que se pode dizer da participação das equipas portuguesas nas competições europeias, nesta primeira ronda da temporada. Face aos adversários que nos calharam em sorte era previsível este descambar o que só vem confirmar que os clubes nacionais não têm capacidade, nem futebolística nem financeira, para andarem a competir na Europa. Se já os três grandes não têm arcaboiço para enfrentar os colossos europeus e, bastas vezes, se vêem em palpos de aranha para ombrear com os clubes medianos da Europa, o que dizer de equipas como o Belenenses, União de Leiria e Paços de Ferreira com orçamentos de pobreza face aos seus congéneres europeus. É ponto assente que, exceptuando os três grandes, as restantes equipas portuguesas vão às competições apenas para cumprir calendário. É certo que aqui e ali, casualmente, uma destas equipas consegue ultrapassar uma eliminatória, mas isso são casos raríssimos que de forma nenhuma contrariam a regra habitual.

terça-feira, setembro 18, 2007

Podia ter sido pior

Frente ao Milan o resultado não deslustra, embora se possa considerar lisonjeiro face ao que produzimos em campo. A verdade é que ainda não temos estofo – se é que algum dia vamos ter – para adversários desta envergadura. Com equívocos ou sem equívocos de Camacho, dificilmente o resultado seria outro. O Milan é-nos muito superior e ganhar-nos-á sempre, em qualquer circunstância, por mais bem concebida que seja a táctica ou por mais acertada que seja a escolha da equipa a colocar no terreno de jogo.
Nesta noite, realço a boa prestação da equipa quando em posse de bola, pecando apenas na finalização, uma pecha que nos é habitual e que põe a nú as nossas fragilidades nessa zona do campo. Cardozo, mais uma vez provou que não vale os 9 milhões investidos, nem de perto nem de longe, não obstante haver muitos adeptos que vêem nele o matador de que o Benfica precisa. Falhar um golo cantado, como aquele que ele falhou a meio-metro da baliza adversária, é inconcebível num qualquer jogador que se preze, muito menos num jogador pelo qual foi pago uma fortuna. Para além disto, ao rapaz falta-lhe alma, falta-lhe capacidade técnica, falta-lhe explosão, falta-lhe rapidez de processos, tudo aquilo que um avançado deve ter e ele não tem.
Se na circulação de bola estivemos a um nível bastante aceitável já no que concerne aos aspectos defensivos a realidade foi bem menos agradável. Fomos muito macios nesse capítulo, com sucessivos erros de marcação e carradas de ingenuidade à mistura, algo com que já contávamos face à juventude e inexperiência da maioria dos nossos jogadores que tiveram neste jogo o seu baptismo na Liga dos Campeões.
Na próxima jornada com o Shakhtar, pode-se dizer que começa verdadeiramente a nossa participação nesta Liga dos Campeões. É com os ucranianos e os escoceses que tudo se vai decidir quanto ao segundo lugar que dará acesso à segunda fase da competição. Por isso, é um jogo que temos obrigatoriamente de ganhar e pena é que não possamos contar com Petit que, como se viu hoje, tanta falta faz à equipa. Em contrapartida, deseja-se que Luisão reapareça e faça com Katsouranis uma dupla de eleição que estou convicto que fará pois o grego tem revelado possuir excelentes condições para o desempenho do lugar. Bem melhores do que aquelas que revela para a posição de trinco.

segunda-feira, setembro 17, 2007

As dores de cabeça de Camacho

A lesão de Petit traz inevitavelmente grandes dores de cabeça a Camacho que começam já no jogo de amanhã em Milão. Qualquer uma das soluções possíveis é um remendo para um buraco demasiado grande. É a velha teoria da manta: tapa de um lado e destapa do outro.
Se Katsouranis avançar para o meio-campo fica o centro da defesa demasiado fragilizado dada a juventude e consequente inexperiência de Ed Carlos e Miguel Victor que, ainda por cima, têm a agravante de nunca terem jogado juntos. Se o grego se mantiver na defesa, como tudo parece indicar, ficará o meio-campo desprotegido pois Romeu Ribeiro não tem estaleca para um jogo desta responsabilidade. Há quem ponha ainda a hipótese de a escolha recair em Maxi Pereira. Sinceramente não acredito que o espanhol vá por aí, até porque, é bom não esquecer, o Milan é só a melhor equipa da Europa pelo que não se aconselham grandes inovações.
Logo agora que vamos ter pela frente três adversários muito complicados é que Petit se havia de lesionar. Porca miséria!

sábado, setembro 15, 2007

Contratem um bruxo

A melhor exibição da época ficou manchada com a lesão de Petit que, pelo que se pôde ver, é bem capaz de vir a ter uma paragem bastante prolongada. Se os ligamentos do joelho tiverem sido danificados, então a época está praticamente terminada para o nosso pitbull. Estou farto de tantas lesões e mais chateado fico ao ver que estas acontecem habitualmente com os nossos melhores jogadores. Começo a pensar que há algo de sobrenatural nestas lesões. Já não me contento com outras explicações.
Não sei quem irá substituir o Petit em Milão, nem isso me preocupa minimamente. Frente aos italianos, com ou sem ele em campo, as hipóteses seriam sempre diminutas. O que me inquieta sobremaneira é a possibilidade de a equipa não mais poder vir a contar com o seu contributo nos próximos meses. Isso sim, seria uma tragédia. E com consequências facilmente previsíveis.

quinta-feira, setembro 13, 2007

Gesto irreflectido vai-lhe sair caro

Depois da agressão ao jogador sérvio (que o brasileiro continua a negar por muito que as imagens o confirmem), quer-me parecer que Scolari vai levar guia de marcha da FPF. Isto já para não falar do exemplar castigo que a UEFA não deixará de lhe aplicar. Nos próximos dias o "Sargento" vai andar com o coração nas mãos. Ai vai, vai.

domingo, setembro 09, 2007

Futsal do Benfica vence Supertaça


Esta já cá canta! Quem tem Ricardinho arrisca-se a ganhar estes trofeús (aquele último golo é de antologia). Para início de época não está mal. Fica a faltar o Campeonato e a Taça de Portugal.

sábado, setembro 08, 2007

Empate comprometedor

Ricardo e Nuno Gomes, complicaram as contas de Portugal no apuramento para a fase final do Europeu. O guarda-redes porque esteve mal nos dois golos dos polacos e o ponta-de-lança (?) que, mais uma vez, falhou rotundamente na hora de rematar à baliza. Agora só uma vitória frente à Sérvia nos mantém no caminho do apuramento. Será que somos capazes?

quinta-feira, setembro 06, 2007

Que se lixe o Guiness

Entristece-me ver o meu Benfica contentar-se com vitórias no Guiness. Noutros tempos lutávamos por objectivos desportivos que alcançávamos com regularidade. Agora, como estes nos escapam, temos orgasmos com ninharias. Que me interessa a mim ser o maior clube do planeta em número de sócios? Trocava isso, de boa vontade, pelos troféus com que aquele clube do norte vai enchendo as suas vitrinas. Dir-me-ão os mais assanhados benfiquistas: e o dinheiro da quotização não é fundamental para a conquista de títulos e para a sustentabilidade económica do clube? Claro que é. Só que pelo vistos o muito dinheiro que tem entrado não tem tido reflexo no campo desportivo que é tão só a mola real de qualquer clube que se preze.

quarta-feira, setembro 05, 2007

Erros pagam-se caro

David Luiz foi hoje operado e vai estar afastado dos relvados durante um período que pode ir até aos 3 meses. Esta é uma daquelas lesões estúpidas provocada por uma entrada despropositada do brasileiro num jogo treino frente ao juniores. Camacho bem tentou refrear-lhe os ânimos mas o miúdo achou por bem fazer-lhe ouvidos moucos. Resultado: fractura do pé e impedimento de jogar nos próximos tempos. Lixou-se ele e, sobretudo, o Benfica que lhe paga o ordenado e não pode estar sujeito a destemperos desta natureza. Espera-se que o rapaz tenha aprendido a lição e não volte a repetir a gracinha, porque é nestes pequenos pormenores que se começam a perder campeonatos.

terça-feira, setembro 04, 2007

O peso das camisolas

A Liga Bwin ainda agora dá os primeiros passos mas já deu para perceber que, à semelhança dos últimos anos, ela vai ser nivelada por baixo. A maioria das equipas apresentam-se mais fracas do que na época passada, praticando um futebol desconsolador, o que não augura nada de bom em termos de espectacularidade e competitividade da prova. Assim sendo, tudo leva a crer que os principais candidatos dificilmente vão perder pontos com as equipas de menor nomeada e quem os perder vai ter enorme dificuldade em recuperá-los. Os pontos perdidos pelo Benfica frente a Leixões e V.Guimarães podem constituir-se num duro revés na sua caminhada rumo ao título. O Sporting ainda não perdeu nenhum, o mesmo se verificando com o F.C. Porto que tem a vantagem de já ter defrontado dois dos conjuntos mais fortes. Aliás, estou convicto, que qualquer das equipas ditas pequenas irá ter muitas dificuldades em somar pontos com os portistas. Não porque estes tenham uma equipa por aí além, longe disso, mas, acima de tudo, porque as equipas que os defrontam entram em campo já inferiorizadas. A realidade é que o peso das camisolas azuis-e-brancas continua a fazer tremer os adversários em Portugal, impedindo-os de jogar de forma desinibida, retirando-lhes capacidade e limitando-os na possibilidade de encararem estas confrontos de forma positiva. Que saudades doutros tempos em que era o Benfica a tirar dividendos deste efeito sobre os adversários. Hoje em dia, por culpa nossa, os nossos adversários perderam-nos o respeito e vejam a diferença que isso faz.

segunda-feira, setembro 03, 2007

Cautela e caldos de galinha

Desculpem lá, mas não me incluo no grupo daqueles que ficaram deliciados com a exibição de ontem. Nem sequer sou daqueles que pensam que pelo facto de termos ganho ao Nacional passámos a ser os melhores do mundo e arredores. Afinal de contas já há por aí quem diga – precipitadamente, digo eu - que F.C. Porto e Sporting devem estar a tremer depois do que se viu na Madeira. Aconselho essas pessoas a não ir por esse caminho, pois arriscam-se a ter enormes dissabores se começarem a embandeirar em arco, dado ainda não termos feito nada que justifique tal atitude.
Aliás, o jogo de ontem foi disso um exemplo. Tivemos uns 45’ iniciais em que voltámos a praticar um futebol sofrível e uma 2ª parte onde a equipa já esteve mais perto daquilo que todos nós pretendemos. Perante duas realidades distintas ficámos sem saber qual destes é o verdadeiro Benfica. Eu sinceramente não sei o que esperar. Penso que a atitude mais sensata é mantermo-nos cautelosos e aguardarmos pelos embates frente ao Sp. Braga e Sporting. É frente a adversários da nossa igualha que poderemos atestar as nossas reais capacidades. Depois desses jogos, então sim, estaremos em condições de ter uma opinião mais abalizada sobre que Benfica vamos ter esta época. Até lá, cautela e caldos de galinha será a postura mais correcta.
Uma nota final para a prestação dos novos reforços. Tanto Maxi Pereira como Rodriguez mostraram pormenores interessantes que os próximos jogos se encarregarão de confirmar ou desmentir. Já Di Maria, voltou a demonstrar que é um jogador de classe pura a quem se adivinha um futuro brilhante. Assim ele queira.

sábado, setembro 01, 2007

Vanessa Fernandes campeã do mundo


Não há fome que não dê em fartura. Depois de Nelson Évora, foi agora a vez de Vanessa Fernandes conquistar o título de campeã mundial de Triatlo. O Benfica consegue assim, no curto espaço de uma semana, enriquecer o seu palmarés com dois campeões do mundo. Lindo!

Em Janeiro tudo se resolve

O mercado fechou e o Benfica, por manifesta incompetência do seu presidente, não conseguiu colmatar as principais lacunas do plantel. A incapacidade negocial é de tal ordem que oferecemos 10 milhões de euros pelo Obiña e ele acaba por ser emprestado ao Birmingham com opção de compra no final da época; a incapacidade negocial é de tal ordem que nem por empréstimo conseguimos trazer Chevanton, mesmo ficando o jogador sem jogar no Sevilha até ao final do ano. Em suma, aquilo que os outros conseguem com uma perna às costas, LFV, por muito que se esforce, revela-se incapaz. O que é de estranhar é que perante todo este acumular de erros a maioria dos adeptos continue a manifestar-lhe o seu apoio incondicional. E tudo isto só porque o homem recuperou o clube financeiramente. Esquecem-se que já lá vão sete ou oito anos sob a sua presidência e quanto a resultados desportivos estamos conversados. Seja no futebol ou noutra qualquer modalidade. O que nós verificamos é que os títulos vão invariavelmente para o mesmo clube e nós continuamos a gastar energias em Apitos Dourados e afins. Os nossos adversários, como é bom de ver, agradecem tanta ingenuidade. Meus amigos, é tempo de dizer que já não há pachorra para tanta imbecilidade!
O que mais me irrita é que, muito provavelmente, em Janeiro, lá iremos ao mercado para adquirir os jogadores que nos fazem agora imensa falta. Com a particularidade de, nessa altura, poder ser já demasiado tarde.
Tal como as coisas estão, resta-nos rezar a todos os santinhos para que Rui Costa não se lesione, pois dessa forma não teremos substituto à altura para a função de organizador de jogo. Por outro lado, estou curioso em saber quem é que vai marcar golos neste Benfica uma vez que Cardozo e Nuno Gomes, não se têm mostrado muito eficazes nesse capítulo. Precisávamos de um ponta de lança que em espaços curtos conseguisse superar adversários e criasse situações de finalização. Infelizmente não o temos o que limita e muito a nossa capacidade ofensiva. Pelo que é dado ver, nada que preocupe os benfiquistas.
LFV achou por bem não ser necessário investir neste tipo de jogadores. Tudo bem. O futuro se encarregará de dizer quem tem razão. Só espero que chegada a hora de fazer o balanço desta época, as pessoas não tenham a memória curta, saibam admitir os seus erros e não tenham pressa em atribuir as culpas ao homem do costume – o treinador.

quinta-feira, agosto 30, 2007

Os deuses estiveram connosco

Há que dizê-lo com frontalidade: tivemos muita sorte ao apurarmo-nos para a fase de grupos da Liga dos Campeões. No cômputo das duas mãos os dinamarqueses foram claramente superiores só que, desta vez, nós tivemos a fortuna que nos tem faltado noutras ocasiões. Os dinamarqueses bem podiam ter ficado ali toda a noite que estava escrito que esta noite a bola não entrava (fez-me lembrar o Benfica–Boavista da época passada).
Não conseguindo esconder alguma falta de inspiração os jogadores encarnados foram, por outro lado, inexcedíveis na entrega ao jogo. Houve muita determinação, muita vontade, muita solidariedade o que demonstra que todos eles perceberam a importância do que estava em jogo. Neste particular já se notam, sem dúvida, diferenças relativamente ao reinado de Fernando Santos. Salta à vista que o espanhol tem uma capacidade de motivar os jogadores que o engenheiro definitivamente não tinha.
Agora falta o essencial que é pôr a equipa a praticar bom futebol. E para que isso aconteça, não basta o dedo do treinador. É preciso que os jogadores tenham qualidade suficiente para poderem jogar o futebol que todos os benfiquistas desejam. E neste aspecto é que a porca torce o rabo. Penso que o plantel precisa urgentemente de se reforçar com um médio centro (Rui Costa não chega) e com um ponta de lança que marque golos. Faltam dois dias para o fecho das inscrições e, ao que parece, o Benfica apenas está no mercado por um avançado. Mesmo que ele venha não é suficiente. Di Maria (que hoje deu boas indicações), Maximiliano e Rodriguez não são jogadores para fazerem essas posições pelo que, a não ser contratado mais ninguém, receio que venhamos a ter muitos dissabores ao longo da época. É importante que não se caia no erro de pensar que, pelo facto de termos eliminado os dinamarqueses, tudo está bem. É óbvio que não está e o próprio Camacho já deu conta disso mesmo. Só falta que LFV cumpra a sua função.

terça-feira, agosto 28, 2007

Dia D

Um dos objectivos mais importantes do Benfica para a presente temporada joga-se amanhã em Copenhaga. Os jogos até agora realizados não nos dão quaisquer garantias de que a eliminatória está no papo. Bem pelo contrário. O que fizemos até agora deixa-nos apreensivos quanto ao que possa vir a acontecer. Se a 1ª mão em nossa casa já foi bastante complicada, o que dizer de uma 2ª mão a realizar no campo do adversário, com 40.000 almas a puxar pelo seu clube e com alguns jogadores da nossa equipa sem nenhuma ou pouca experiência nestas andanças?
Mesmo sem o seu principal jogador, o F.C. Copenhaga vai ser um osso bem duro de roer e que irá exigir da nossa parte um jogo quase perfeito. Esta vai ser uma excelente oportunidade para que alguns dos nossos jogadores que já vêem contestado o seu valor, demonstrem que efectivamente são mais valias para o Benfica. Há muito boa gente que acredita neles. É conveniente que eles não defraudem essas expectativas, sob pena de comprometerem o seu futuro no clube.

segunda-feira, agosto 27, 2007

Nelson Évora campeão do mundo


Pela primeira vez no historial do Benfica temos um campeão do mundo. Nelson Évora conquistou a medalha de ouro no triplo salto, com uma marca de 17.74, o que constitui novo record nacional. São atletas deste calibre que honram a camisola do glorioso. Parabéns Nelson. Todos os benfiquistas se curvam perante o teu feito.

domingo, agosto 26, 2007

Breves

- frente a duas das melhores equipas da Liga, o F.C. Porto somou seis pontos. É assim que se começa a ganhar campeonatos;
- o Valência contratou Manuel Fernandes e colocou uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros. Isto é uma pequena amostra de que num clube a sério não se brinca em serviço;
- Maximiliano Pereira diz que é um sonho jogar no Benfica. Tomara que não se torne em mais um pesadelo encarnado;
- no Benfica, entram dois novos extremos e, ao que parece, mais um defesa central. Em contrapartida, nas posições em que nos encontramos mais deficitários, médio centro e avançado, não entra ninguém. E depois queixamo-nos que os resultados não aparecem!

No pasa nada

Dois jogos contra recém primodivisionários. Dois empates. Quatro pontos perdidos. É esta a contabilidade do Benfica e ainda o campeonato não saiu do adro.
Qualquer pessoa minimamente entendida em futebol – não é preciso nenhum curso, nem coisa parecida – percebe que esta performance é absolutamente natural face ao valor actual da equipa do Benfica. Só o presidente é que teima em achar que estamos perante o melhor plantel dos últimos dez anos. Os mais esclarecidos, por outro lado, sabem que esta opinião de LFV não é para ser levada a sério. É apenas mais um dislate desta singular personagem que, desde há muito, nos vem habituando a estes excessos de linguagem.
O Benfica de hoje, pouco diferiu do comandado por Fernando Santos. Quanto muito poderá ter havido melhor atitude por parte dos jogadores, mas a qualidade do futebol praticado manteve-se inalterável. Ou seja, fraco como das outras vezes.
Como já aqui referi em posts anteriores, e por muito que isso custe à massa adepta, esta irá ser a realidade do Benfica nesta época, a não ser que os jogadores a contratar sejam de valor incontestável - o que não se prevê, tendo em conta os jogadores que têm vindo a lume na imprensa desportiva.
Se assim for, e oxalá não seja, Camacho não levará muito tempo a ser contestado pelos adeptos. Os mesmos que ontem o idolatravam serão os primeiros a indicar-lhe a porta de saída e que o crucificarão, caso os resultados não apareçam.
Aí chegados, voltamos à casa de partida. O mesmo é dizer que outro treinador virá e o ciclo voltará a repetir-se. No entretanto, o futuro do Benfica continuará eternamente adiado até que os adeptos percebam, de uma vez por todas, que não é mudando de treinador todos os anos que se resolvem os problemas do clube.

P.S. Imagine-se o que se diria de Fernando Santos, se ele fizesse as alterações que, hoje, Camacho fez durante o jogo. No mínimo, era insultado. Digo eu.

sexta-feira, agosto 24, 2007

Não ser benfiquista

"Foi há quatro ou cinco anos que tive uma epifania enquanto via um desafio do Benfica na televisão. Após me erguer bruscamente do sofá, a celebrar um golo mar­cado ou a lamentar um golo perdido, senti desconforto e sobretudo embaraço pelo absurdo do gesto: eu entusiasmava-me em nome de quê? Dado que não conhecia os sujeitos de calções que passeavam no cam­po e não partilhava os seus salários, não havia nenhum motivo para partilhar as respectivas alegrias ou desapontamentos. Para cúmulo, conforme orgulhosamente apregoavam, os clubes desportivos haviam-se transformado em empresas, e é escusado viver com drama­tismo as oscilações de firmas das quais não possuímos acções. Foi nesse dia que deixei de ser benfiquista.
Não passei por isso a aplaudir outra equi­pa. Mudar de clube revela fraqueza de ca­rácter e, em determinados países, constitui violação da lei. Apenas deixei de acompa­nhar a bola com o fervor dos indefectíveis. Aos poucos, desprovido do estímulo com­petitivo, deixei de acompanhar a bola de todo. Aguentar uma hora e meia de "losan­gos" e "penetrações" sem envolvimento emocional é o mesmo que apostar na role­ta a feijões, ou seja, um disparate.
O problema é que nós podemos largar o Benfica, mas o Benfica não nos larga. Se não custa ignorar os jogos, é impossível escapar incólume à avalanche noticiosa que varre a chamada "pré-época". Ao contrário da pré­-história, onde não acontecia nada, a "pré-época" é que é animadíssima, com a chegada diária (ou a promessa de chegada) a Portugal de espantosos talentos do futebol, logo elevados às manchetes dos jor­nais da especialidade e a cognomes do tipo "O Prodígio" e "A Fera". Visto que cerca de 82% dos prodígios e das feras vêm para o Benfica, a cada ano os adeptos ditos "en­carnados" antecipam conquistas inauditas e, a julgar pelo nível das transferências, lu­tas quase desiguais. As aquisições ajudam à euforia: mal aterram na Portela, avisam que o Benfica é o maior, que tem 20 (ou 60, ou 200) milhões de fiéis e que esmagará tudo o que lhe surja à frente.
Depois começa a época de facto e o Ben­fica, para citar César Monteiro, arrasta-se pe­nosamente pelos relvados. Afinal, o dream team que as manchetes previam demolidor não acerta uma. Num instante, descobre-se que "A Fera" tende para a absoluta inépcia, e que, 15 dias antes de A Bola lhe louvar o gé­nio, "O Prodígio" era um merceeiro do Re­cife, enfiado à pressa num voo da TAPe ven­dido ao Benfica por 8 milhões de euros.
Face ao desastre iminente, exposto na abertura dos noticiários e na angústia da "massa associativa", a reacção da direcção é fulgurante. Rapidamente, definem-se o culpado (o treinador) e o salvador (outro treinador). Os adeptos, que já apontavam uma pistola às próprias cabeças, usam a arma para salvas de júbilo, e rogam, em fó­runs televisivos e chats, que se permita ao "presidente" trabalhar à vontade. O exacto "presidente" que escolheu o treinador de­mitido e estrafegou fortunas em alegados Pelés paira feito um anjo sobre a balbúr­dia, anunciando em conferência a "nova era" do Benfica. A imprensa do ramo corre a levar a mensagem e a estampar nas capas o rosto de eventuais reforços. Os devotos, a babar felicidade, cirandam de excitação em volta dos treinos. Até um domingo qualquer os devolver à provisória melancolia.
Não me refiro a ninguém em particular nem sequer a um ano específico. Todos os anos é mais ou menos assim e, sempre, só o próximo é que será o tal. Eu cá estarei para confirmar. Porque não há alternativa e por­que, desde que contempladas com distân­cia, estas coisas divertem".

Alberto Gonçalves
Revista Sábado

quinta-feira, agosto 23, 2007

Negócios pouco lucrativos

Anderson, ao que tudo indica, está a caminho do Lyon. Não, não vou falar do mau carácter do brasileiro que jurava a pés juntos querer sair do Benfica porque necessitava de regressar ao Brasil já que só aí encontrava tratamento para o filho. Aqui o que me interessa destacar é a venda ao preço da uva mijona de mais um activo do Benfica. Enquanto os outros clubes inflaccionam os passes dos seus jogadores, o Benfica continua a despachar os seus jogadores a preço de saldo quando, não raras vezes, a custo zero, como ainda aconteceu neste início de época com Karagounis. Por muito conseguida que tenha sido a recuperação financeira, o clube não está propriamente a nadar em dinheiro para se permitir fazer estes negócios muito pouco lucrativos. Só de pensar que o F.C. Porto com a venda de Pepe encaixou praticamente a mesma quantia do que o Benfica na venda de Simão, Manuel Fernandes, Carlitos, Amoreirinha, Manduca e Anderson., até me arrepio!

quarta-feira, agosto 22, 2007

Muda-se o treinador, renasce a esperança

Bastou Fernando Santos sair para o estado de espírito dos benfiquistas dar uma volta de 360 graus. Duma época desastrosa que se perfilava no horizonte passou-se a acreditar que gloriosos feitos esperam o Benfica na presente temporada. É sempre assim no meu clube: o melhor doping para um benfiquista é o despedimento de um treinador.
Esquecem-se que um treinador não faz milagres por muita competência que possa ter, o que até nem é o caso de Camacho, como o seu próprio currículo o demonstra.
Ao contrário da maioria da família benfiquista o meu cepticismo mantém-se - independentemente da mudança de técnico - relativamente à performance desportiva desta época. Sou daqueles que considera que sem ovos não se fazem omoletas e o plantel do Benfica, tal como se apresenta actualmente, não oferece o mínimo de garantias para que possamos sonhar com grandes feitos. Ainda para mais agora, quando David Luiz se lesiona com gravidade e se ficou a saber que irá ficar afastado dos relvados nas próximas 5 a 6 semanas.
Sem centrais, com um meio-campo com graves deficiências na construção de jogo e um ataque que se resume a Cardozo, sempre estou para ver como é que vamos ultrapassar o obstáculo dos dinamarqueses na próxima quarta-feira. Isto já para não falar da competição interna, a Liga, onde estamos impedidos de perder pontos nos próximos jogos, sob pena de deixarmos fugir os nossos principais adversários de forma irremediável.
Reforço o que escrevi no segundo parágrafo: por muita força psicológica que Camacho venha dar aos jogadores, por muita sapiência táctica que possua, com a matéria prima que tem ao dispor só uma mãozinha dos deuses nos poderá salvar.

P.S. LFV tem 10 dias para minorar os estragos que fez no plantel. Se não o fizer, espero que a família benfiquista saiba retirar as devidas ilacções.

terça-feira, agosto 21, 2007

Este homem é um verdadeiro cromo

Como não podia deixar de ser, LFV faz mais uma fuga para a frente. Na conferência de apresentação de Camacho o presidente encarnado descarta responsabilidades, atira farpas a Nuno Gomes pelas declarações deste e promete uma nova era de sucesso no Benfica. Se não estou enganado este tem sido o discurso recorrente sempre que se anuncia um novo treinador (Fernando Santos que o diga). As promessas sucedem-se, ano após ano, mas os resultados desportivos tardam em aparecer. Comprova-se assim que das palavras aos actos ainda há uma enorme distância a percorrer e LFV tem dado suficientes provas de que o caminho para o sucesso não passa pela sua gestão. Lamentavelmente, diria eu.

segunda-feira, agosto 20, 2007

Fernando Santos já não é treinador do Benfica

Duma forma demagógica e populista, LFV demitiu Fernando Santos do comando técnico do Benfica. Com esta atitude o presidente encarnado pretende agradar aos benfiquistas e, ao mesmo tempo, sacudir a água do capote. Para os mais ingénuos, esta é uma medida inevitável e merecedora dos maiores aplausos. Para os mais avisados, ela é apenas mais uma tentativa de salvar a pele e de desviar atenções sobre os reais problemas que assolam a “instituição” Benfica.
Estou à vontade para falar sobre Fernando Santos já que manifestei a minha total discordância logo aquando da sua contratação, por considerar estarmos perante um treinador sem carisma, com um relacionamento difícil com os jogadores e, sobretudo, por não ter um currículo que justificasse a sua vinda para o Benfica.
Isto não invalida que eu considere que o timing escolhido para este despedimento é de todo inoportuno, uma vez que Fernando Santos pouco terá contribuído para o clima de instabilidade que se vive actualmente no Benfica ( se é que alguma responsabilidade lhe pode ser assacada). Foi LFV que preparou esta época; foi LFV que deixou sair os principais jogadores e para os seus lugares trouxe jogadores jovens e inexperientes; foi LFV que correu com José Veiga e abandonou Fernando Santos à sua sorte; foi LFV que colocou demasiada pressão no plantel e equipa técnica ao afirmar que estávamos perante o melhor plantel dos últimos 10 anos, quando a realidade nos diz exactamente o contrário. Resumindo: se há pessoa que devia vir a público assumir toda a responsabilidade por um início de época miserável essa pessoa devia ser o presidente encarnado. Sempre tão lesto em defender a sua honorabilidade, LFV tinha aqui uma boa oportunidade de atestar a nobreza do seu carácter. Em vez disso, assobia para o lado e atira as culpas para cima de mais um treinador há semelhança do que tem feito noutras ocasiões.
Para substituir Fernando Santos anuncia-se a vinda de Camacho, o salvador da Pátria para a maioria dos benfiquistas. É bom que estes não se esqueçam que, curiosamente, o espanhol tem um currículo bem inferior ao do técnico Fernando Santos, sendo que o único título que tem na carreira foi uma Taça de Portugal conquistada aquando da sua passagem pelo Benfica. Ora isto não é suficiente para que estejamos perante um treinador de excelência. E era exactamente dum treinador de excelência que o Benfica precisava neste momento. Era absolutamente proritário que à frente do plantel encarnado estivesse alguém cuja competência não pudessse ser minimamente contestada. Por todas as razões e mais alguma, quanto mais não fosse para fazer cair o mito de que no Benfica os maus resultados são sempre devidos ao treinador.

domingo, agosto 19, 2007

Para o ano há mais

Um primodivisionário a jogar o quanto baste foi o suficiente para parar o Benfica nesta jornada inaugural do campeonato. Tudo isto era previsível face ao que se tem visto desde a pré-época, pelo que não fiquei surpreendido nem com a exibição nem com o resultado final. Nas próximas jornadas vamos assistir à confirmação das fragilidades da estrutura do futebol encarnado, assente numa planificação sem critério delineada por LFV e pacificamente aceite pelo treinador Fernando Santos. No mês de Maio far-se-á o balanço de mais uma época desastrosa, desta vez bem mais deprimente que as anteriores.

sexta-feira, agosto 17, 2007

Qual das três equipas a pior

Vendo o jogo inaugural da Liga Bwin entendemos melhor porque é que, à primeira oportunidade, os poucos grandes jogadores a jogar em Portugal fogem para o estrangeiro. É que o nosso campeonato é tão fraquinho, tão fraquinho, tão fraquinho que qualquer jogador que seja ambicioso e goste de jogar futebol dificilmente consegue arranjar motivação para actuar nos palcos nacionais. O jogo desta noite foi disso um exemplo, tão pobre foi.

quarta-feira, agosto 15, 2007

Uma profunda desilusão

As conclusões que há a retirar relativamente a este jogo da pré-eliminatória, é que em pouco mais de um mês LFV conseguiu destroçar uma equipa de futebol. Até hoje só Artur Jorge tinha conseguido idêntica proeza com os resultados que, lamentavelmente, todos nós conhecemos. LFV parece querer seguir-lhe as pisadas e ficar a ser conhecido como um dos maiores enterras na história do clube. Conseguiu construir uma equipa que, ainda mal a época se iniciou, é já uma verdadeira desilusão. Trocar jogadores de categoria por jovens jogadores sem qualquer tipo de experiência, demasiado frágeis fisicamente e que ainda não provaram nada relativamente à sua valia enquanto futebolistas, só pode resultar naquilo que vimos esta noite: uma pobreza futebolística como há muito não víamos em equipas do Benfica.
Não tenha a família benfiquista ilusões quanto ao futuro. Esta época está irremediavelmente perdida. Ainda que a equipa venha a ser “reforçada” por mais alguns jogadores, a verdade é que não são uma ou duas contratações que vão alterar substancialmente o seu valor, especialmente se tivermos em linha de conta o olho clínico que este presidente tem demonstrado em matéria de contratações.
No meio disto tudo o que mais me aborrece é ver a nossa massa adepta absolutamente convencida – vá lá saber-se porquê – de que temos um conjunto de jogadores de categoria que só a inépcia do treinador não consegue potencializar. Maior cego é aquele que não quer ver e, neste particular, os adeptos benfiquistas são inigualáveis.

segunda-feira, agosto 13, 2007

Inqualificável

Já nem sei o que diga relativamente à gestão desportiva da direcção encarnada. A anunciada saída de Manuel Fernandes, na véspera de um jogo decisivo para o Benfica, é o zénite do disparate que LFV e seus pares têm vindo a acumular nos últimos tempos. Bem pode vir o nosso presidente enjeitar responsabilidades com o argumento de que o Everton pagou a cláusula de rescisão, porque isso não lhe servirá de desculpa: tivesse este dossier sido gerido convenientemente e, por certo, o Benfica não teria vendido 50% do passe do jogador por uns míseros 5 milhões de euros, do mesmo modo que, por esta altura, o valor da rescisão seria bem mais alto do que os 9 milhões fixados. Este é apenas mais um episódio que prova à saciedade a incompetência de LFV em matéria de gestão do futebol encarnado. Os prejuízos desportivos destas asneiradas ainda estão por calcular, embora tudo aponte para que esta temporada futebolística venha a redundar num verdadeiro fracasso do qual LFV terá de se assumir como o principal responsável. O dia de amanhã já poderá trazer alguma luz sobre o que vai ser o Benfica desta época. Uma coisa é certa: como estamos em Portugal, e sendo o clube que é, não restam dúvidas de que, se as coisas não correrem da melhor forma frente aos dinamarqueses, o bode expiatório será sempre Fernando Santos que é tão só aquele que menos culpas tem no cartório. Quanto muito será criticável a sua atitude demasiado passiva face a todos estes acontecimentos. Outro treinador, porventura, já teria dado uns valentes murros na mesa e feito valer a sua oposição face a esta política desportiva tão nefasta aos interesses do clube e que, lamentavelmente, só a direcção encarnada não consegue vislumbrar.

domingo, agosto 12, 2007

Sporting conquista Supertaça

O Sporting ganhou o primeiro título da época, num jogo pobre, tendo ficado demonstrado que a falta de criatividade ao nível da construção de jogo é a principal característica do futebol apresentado pelos três grandes neste início de temporada. F.C. Porto, Sporting e Benfica vão ter de evoluir muito neste aspecto, isto se quiserem ter uma boa participação nas competições europeias já que a jogarem assim as hipóteses de sucesso vão ser praticamente nulas. Para consumo interno é provável que este futebol ainda vá chegando para as encomendas, mas no contexto internacional exige-se um nível de jogo com outra qualidade que, no imediato, nenhuma destas equipas apresenta.

quarta-feira, agosto 08, 2007

Mais uma vez os dinamarqueses

Calhou-nos em sorte o FC Copenhague, adversário já nosso conhecido com quem tivemos oportunidade de medir forças a época passada. Na altura empatámos na Dinamarca e ganhámos na Luz. Que bom seria repetir esses resultados pois isso significaria que estaríamos apurados para a fase de grupos da Liga dos Campeões.
Pelo que pude observar dos dinamarqueses ontem frente ao Beitar, vi, basicamente, uma equipa idêntica à do ano passado, onde as suas principais referências continuam a ser Gronkjaer e Aalback, e que revelou ter condições para discutir a eliminatória, caso não consigamos estar ao nosso melhor nível.
Temos portanto dois jogos difíceis onde apesar de sermos favoritos vamos ter de o demonstrar em campo. Não basta dizermos que somos melhores. É preciso prová-lo.
Preferia que o primeiro jogo fosse na Dinamarca, até porque vão estar ausentes alguns dos nossos principais jogadores, ainda por cima os atacantes, o que fragiliza a nossa capacidade goleadora. E bem que era importante marcar golos na Luz.

segunda-feira, agosto 06, 2007

É sempre bom ganhar ao Sporting

A vitória foi saborosa mas não me deixo iludir, pois continuamos a praticar um futebol bem longe daquilo que se exige a uma equipa que ambiciona ser campeã.
Neste jogo, o Sporting foi mais forte em quase toda a partida. O Benfica, relativamente a jogos anteriores, melhorou em termos de atitude, esteve mais coeso em termos defensivos mas continua a revelar grandes carências nos aspectos ofensivos: as transições defesa-ataque continuam a ser feitas de forma muito lenta; no capítulo do passe falhamos em demasia e abusamos na lateralização do jogo. Vê-se que a equipa quer mas, por manifesta incapacidade dos seus jogadores, não consegue criar jogo ofensivo. Deste modo, tornamo-nos numa presa fácil para os nossos adversários que, pressionando-nos, rapidamente recuperam a posse de bola e entram em situação de ataque. Valeu-nos o facto de o Sporting, em termos de finalização, depender em demasia de Liedson, caso contrário, podíamos estar agora a lamentarmo-nos com uma derrota.
Quem mais ganhou com esta vitória foi Fernando Santos que viu assim a sua posição garantida, pelo menos, até se saber o desfecho da pré-eliminatória da Liga dos Campeões. A contestação dos adeptos é por demais evidente e uma derrota frente ao Sporting poderia colocar o seu lugar em perigo. Isto apesar de eu pensar que LFV, mesmo que tal acontecesse, dificilmente lhe retirava a confiança.
Os próximos dias vão ser fundamentais não só na recuperação dos lesionados como ainda na integração dos novos reforços. A esperança dos benfiquistas reside, em grande parte, na mais-valia que Di Maria e Freddy Adu possam trazer à equipa, em especial nos aspectos em que o Benfica denota mais dificuldade. Confesso que não estou muito optimista. Mas se me enganar, a felicidade será redobrada.

sábado, agosto 04, 2007

Ainda acreditam que temos o melhor plantel dos últimos 10 anos?

Jogo após jogo, o Benfica vem demonstrando que não tem estaleca para atacar os objectivos a que se propôs para esta nova época. Contrariando a opinião quase generalizada entre os adeptos encarnados, a verdade é que esta equipa é bastante modesta, saltando à vista a falta de jogadores de qualidade para determinados lugares, por sinal os mais importantes, que são um nº10 e um ponta-de-lança. Torna-se imperioso o preenchimento destes lugares com dois jogadores de reconhecida capacidade futebolística e com experiência no futebol europeu e não apostas no escuro como tem sido a prática corrente. Não podemos pensar em abordar uma época com apenas um organizador de jogo, Rui Costa, e com dois pontas de lança, Cardozo e Nuno Gomes, ainda por cima, quando este último padece de uma lesão que, muito provavelmente, o vai forçar a uma paragem bastante prolongada. É impensável uma situação destas. Isto é tão evidente que não se percebe como os nossos dirigentes não conseguem fazer essa leitura. Tanto assim é que, aparentemente, o plantel já está fechado.
Ora se isto é verdade, então pouco se pode esperar do Benfica para a nova temporada. Com uma política de contratações que, mais uma vez, se revela um desastre não há treinador que consiga construir uma equipa que jogue um futebol capaz de enfrentar os desafios que tem pela frente. Em especial quando um dos objectivos é querer ganhar a Liga nacional. É que para se conquistar uma Liga é preciso um plantel com qualidade. E isso é coisa que presentemente não temos.
Mesmo um leigo na matéria consegue apreender que quando se aposta na quantidade em detrimento da qualidade o desfecho não pode ser outro que não seja o fracasso. Em vez de quatro ou cinco jogadores resolveu-se apostar em doze ou treze jogadores (contrariando o que até há pouco LFV defendia) dos quais, até ver, só um é que tem valor para envergar a camisola encarnada (Cardozo). Pior gestão desportiva do que esta é difícil. Isto é claramente atirar dinheiro à rua sem qualquer possibilidade de sucesso desportivo e de retorno financeiro.
Lamentavelmente, os simpatizantes benfiquistas, em vez de pedirem responsabilidades à direcção do clube, vão pelo caminho mais fácil que é pedir a cabeça do treinador. Tem sido sempre assim ao longo da história do Benfica com os resultados que todos nós bem conhecemos: uma sucessão de épocas desastrosas sem que as pessoas consigam entender que não é mudando de treinadores a todo o instante que os resultados vão aparecer. E isto independentemente da qualidade do treinador. Porque é bom não esquecer que pelo clube têm passado treinadores com excelente currículo e, invariavelmente, o desfecho é sempre negativo (exceptuando Trapattoni que, curiosamente, até não deixou saudades entre os adeptos que só ficaram felizes quando o viram pelas costas!).
Resumindo: o principal erro do Benfica não tem estado na escolha dos treinadores mas sim na política desportiva que tem sido ineficaz e um completo desastre. Pensem nisto. E digam lá se não tenho razão.

P.S. E lá somámos mais uma lesão muscular!

sexta-feira, agosto 03, 2007

As eternas lesões

Aí estão as lesões musculares a afectar os jogadores encarnados. Depois de Di Maria, que já veio lesionado da Argentina, chegou agora a vez de Cardozo. Isto para não falar de Nuno Gomes, cujo problema clínico se arrasta há meses.
Eu não sei se estas lesões são apenas azares, se são resultado de uma deficiente preparação física ou fruto da incompetência do departamento clínico. Ou se é tudo junto. O que eu sei é que esta situação começa a tornar-se insustentável tal a frequência com que acontece. Ainda por cima, com a agravante de, habitualmente, elas atingirem os nossos melhores jogadores.
Lamentavelmente, o Benfica não tem um plantel com qualidade suficiente para se dar ao luxo de, consecutivamente, se ver privado de algumas das suas peças fundamentais. Neste particular, já bastaram os últimos anos. Por outro lado, a pré-eliminatória está aí à porta e convém que joguemos na máxima força pois o adversário é acessível mas não é nenhuma pêra doce.
Perante isto, é caso para perguntar aos responsáveis encarnados, quantas mais lesões vão ser necessárias para que eles acordem para o problema e se dignem resolvê-lo? É que os prejuízos começam a ser incalculáveis e há que pôr cobro a isto. De uma vez por todas.

quinta-feira, agosto 02, 2007

Jailson?!

A bem da transparência seria bom que LFV explicasse a contratação de Jailson, um brasileiro emprestado ao Sp.Braga e, ao que parece, englobado no acordo de transferência de Luís Filipe para o Benfica. Se não fosse hoje o jogador dizer que pertence aos quadros do Benfica, provavelmente, nunca iríamos ter conhecimento desta situação. Não se percebe este silêncio por parte dos responsáveis encarnados, embora entenda que não é fácil explicar como se pode gastar dinheiro num jogador que nunca irá vestir a camisola do nosso clube. Este episódio faz-me lembrar aquela série de jogadores contratados ao Alverca aquando da vinda de LFV para o Benfica, história essa com contornos muito suspeitos e que nunca foi devidamente esclarecida. Para que não sejamos levados a pensar que há negociatas escuras nesta contratação, um esclarecimento de LFV faria todo o sentido. Digo eu.

quarta-feira, agosto 01, 2007

Basta de tanta incompetência

O processo de contratação do lateral-direito para o Benfica está-se a revelar penoso para os dirigentes encarnados que, de forma cabal, revelam uma total incapacidade para resolver um problema que se arrasta há cerca de um ano. E depois vêm com conversas de que pretendem tornar o clube num dos maiores do mundo. Tenham vergonha na cara e trabalhem como deve ser. Os adeptos agradeceriam e o clube também.

terça-feira, julho 31, 2007

Só acredita quem quer

Confesso que estou estarrecido ao ver as hostes benfiquistas depositar total confiança em dois miúdos que, para além de muito jovens, ainda vão ter de provar as suas capacidades num futebol europeu muito mais competitivo do que aquele de onde vieram. É preciso carradas de fé para pensar que vão ser eles a levar o Benfica às grandes conquistas e a substituir jogadores tão decisivos como Simão, Miccoli e Karagounis. Não se iludam. Desçam à Terra.

segunda-feira, julho 30, 2007

Sem ovos dificilmente se fazem omeletes

As consequências de LFV estar sózinho à frente do futebol encarnado começam a notar-se nesta pré-época. E o pior ainda está para vir. Com um plantel construído sem pés nem cabeça o futuro do Benfica não se afigura nada risonho. Já se percebeu que as responsabilidades vão todas recair em cima dos ombros de Fernando Santos que, apesar de ser um mau treinador, é aquele que menos culpas tem no cartório. Tenham, ao menos, os adeptos encarnados, a frieza e a honestidade de fazer a análise correcta.

sábado, julho 28, 2007

Futebol nas mãos de LFV, é um tremendo disparate

A saída de Veiga vai trazer, no imediato, alguns problemas ao Benfica. É que o ex-empresário, apesar de tudo, ainda conseguia fazer a destrinça entre um jogador de futebol e um pedreiro. LVF nem isso.

sexta-feira, julho 27, 2007

Excesso de tráfego na Portela

O avião que trazia o substituto de Simão deve estar a dar a segunda volta ao Mundo. Provavelmente por excesso de tráfego na Portela não pôde aterrar. Espero que seja esta a justificação para o facto de o jogador que LFV tinha anunciado como vindo a caminho ainda não ter chegado. É que eu não quero crer que o nosso presidente pense que são jogadores como Angel Di Maria e André Diaz que vão tornar o plantel encarnado o mais forte dos últimos 10 anos. Se efectivamente for isso que ele pensa, então vamos ter muitos desgostos durante a época. Ele e nós adeptos.

quinta-feira, julho 26, 2007

Devia ter vergonha na cara

"Estamos a construir a equipa mais forte dos últimos 10 anos, temos grandes ambições e o nosso técnico deve estar muito, mas muito feliz com o nosso plantel", acrescentou LFV.

Mas não há quem aconselhe este indivíduo a estar calado e deixar de dizer baboseiras? Sem Simão, Miccoli e Karagounis, desde quando é que o plantel do Benfica tem a dimensão que ele lhe pretende dar? Irra! que já não há pachorra para encaixar as alarvidades deste senhor.

Um murro no estômago

Acabei de levar um murro no estômago ao tomar conhecimento da saída de Simão para o A. Madrid. Perdemos só o nosso melhor jogador. Ainda por cima, por um valor abaixo do que estava estipulado, o que quer dizer que LFV faltou à verdade. 20 milhões pelo nosso capitão, enquanto o Sporting vende Nani por 25 milhões e o F.C. Porto encaixa 55 milhões por Anderson e Pepe, tem de ser considerado um mau negócio e uma prova cabal da falta de poder negocial dos nossos dirigentes.
Relativamente à época passada perdemos Simão, Miccoli, Karagounis e, pelos vistos, Anderson também. Olhando para as contratações desta época temos de convir que estamos bem mais fracos pois os jogadores que entraram, excepção feita a Cardozo, não têm, de forma nenhuma, a categoria dos acima referidos. Sendo assim, se terminámos a última temporada no 3º lugar que aspirações poderemos ter com um plantel deste calibre? Apesar do plantel não estar fechado não acredito em milagres. Os jogadores a vir pouco acrescentarão à equipa em termos de qualidade, o que aliás tem sido um hábito de há anos a esta parte. Confirma-se assim, mais uma vez, a péssima gestão desportiva desta direcção que de futebol não percebe nada. LFV ainda tem muito que aprender com Pinto da Costa. Esta é que é a realidade.

quarta-feira, julho 25, 2007

Onde estão o lateral e o médio prometidos por LFV?

As prometidas contratações para esta semana não atam nem desatam. É certo que a semana ainda não acabou mas pelo andar da carruagem ainda vamos ter de esperar mais uns dias. Isto se efectivamente elas se vierem a concretizar. Decididamente, nós benfiquistas, temos que ter muita paciência para aturar esta confrangedora e recorrente passividade dos nossos dirigentes.

domingo, julho 22, 2007

Golo de Cardozo frente ao Cluj

Esperemos que seja o primeiro de muitos golos com a camisola do Benfica

sábado, julho 21, 2007

Esperava-se mais dos reforços

Após dois meses de defeso, foi bom ver de novo o Benfica actuar. O jogo tinha o aliciante de vermos os novos reforços em acção e permitir-nos tirar as primeiras impressões quanto ao real valor de cada um deles. Deu para perceber que Cardozo é de facto um reforço, embora o mesmo não se possa dizer dos restantes: Zoro revelou carências técnicas que não o habilitam a jogar como lateral; Stretanovic não justificou minimamente a sua contratação; Bergessio é um jogador a rever, tendo, no entanto, ficado aquém do que se esperava; Fábio Coentrão revelou a inconsistência que lhe víramos no Mundial sub-20 enquanto Butt entrou mal na equipa, sofrendo dois golos, um deles inadmissível, a fazer lembrar Moretto nas suas noites de desnorte.
O jogo de hoje veio reforçar a ideia de que o Benfica tem forçosamente de adquirir mais um lateral - eu até diria dois, uma vez que Miguelito continua a desiludir (terá sido o pior da equipa no jogo de hoje). Se não o conseguirmos recrutar no estrangeiro, penso que Luis Filipe seria uma aposta credível apesar de ter o mesmo handicap de Nelson,i.e., não sabe defender. Este jogo mostrou ainda a necessidade de recrutarmos mais um médio ofensivo que ajude a equipa não só na organização e construção das acções ofensivas mas que saiba também aparecer na área adversária para finalizar. E, já agora, um outro avançado não seria demais: só Cardozo e Nuno Gomes, é capaz de ser pouco tendo em conta que Bergessio não me parece com características de finalizador.
Aguardemos pelos próximos jogos para vermos efectivamente o que vale este plantel. De qualquer forma, pelo que se viu, não me parece que tenhamos motivos para pensar, como já tenho lido por aí, que está época o Benfica vai arrasar. À primeira vista, os plantéis dos três grandes equivalem-se ainda que fique a sensação que os leões partem com ligeira vantagem. A ver vamos se isto se confirma.

sexta-feira, julho 20, 2007

Simão de saída?

Faço sinceros votos para que a notícia do jornal espanhol "As" seja mentira, pois se ela se confirmar será uma machadada nas nossas aspirações para a próxima época. Sem Simão, o Benfica torna-se uma equipa banal sem argumentos para atingir os objectivos a que se propôs. Fico preocupado pelo facto de LFV ainda não ter desmentido a saída do nosso capitão, o que pode ser entendido como um mau prenúncio. Sempre tão lestos a desmentir outras notícias, não deixa de ser estranho este silêncio.

terça-feira, julho 17, 2007

Do que é que estão à espera?

O tempo passa e continua por contratar o lateral direito e o tal médio ofensivo, box-to-box, de que tanto necessitamos. Isto já para não falar em mais um ponta-de-lança, mas, pelas notícias que vamos lendo e ouvindo, parece que Fernando Santos não está para aí virado uma vez que decidiu confiar nos dotes do chinês. Esquece-se que Nuno Gomes não está em condições e que por isso, muito provavelmente, acabará na mesa de operações com o consequente afastamento da competição durante um bom par de meses. Se assim for teremos um ataque reservado a Cardozo e Bergessio, o que é manifestamente pouco para as nossas aspirações. Mantorras, obviamente, não entra nestas contas pelos motivos sobejamente conhecidos.

domingo, julho 15, 2007

Provavelmente uma boa aposta

A ser verdade, a vinda de Butt trata-se de uma excelente notícia. O Benfica desde há muito que necessita de um guarda-redes que dê segurança à equipa, algo que Quim e Moreira não conseguem transmitir. Resta agora saber se este alemão é, de facto, o homem que precisamos.

quinta-feira, julho 12, 2007

Lionel Messi Goal Against Mexico - Copa America Semifinal

Jogadores deste calibre é que deviam estar no Benfica. Nâo é LFV que diz que somos o maior clube do mundo? Se queremos usufruir desse estatuto temos que ter os melhores jogadores. Messi é capaz de ser um deles!

segunda-feira, julho 09, 2007

Pobreza franciscana

Estamos nos oitavos-de-final e isso é que vale. É desta forma pragmática que Couceiro avalia a prestação dos sub-20 no mundial da categoria. Pouco importa se as exibições têm sido miseráveis ou se as opções tomadas foram as menos correctas. Para o técnico luso isso são aspectos de somenos que não interessa discutir. Valha-nos que o próximo adversário é o Chile. Do mal o menos. Fosse o adversário mais exigente e podíamos desde já fazer as malas uma vez que com este grupo de jogadores e treinador, só um milagre nos possibilitará chegar longe nesta competição.

quinta-feira, julho 05, 2007

É caso para desconfiar

Oxalá esteja enganado mas começam a surgir indicações de que Nuno Gomes e Luisão terão de ir à faca neste início de época. Depois de muitos meses no estaleiro não se compreende como estas lesões ainda não estão debeladas. Ora isso não abona em favor da credibilidade do departamento médico do clube. Antes pelo contrário. Uma eventual prolongada ausência destes jogadores terá, por certo, reflexos negativos no rendimento desportivo da equipa pois não são dois jogadores quaisquer e, além disso, tivemos o exemplo do brasileiro a época passada, cuja falta acabou por ser determinante no insucesso do Benfica.

Começam os problemas

As dificuldades começam a surgir para os lados da Luz. Miccoli já não vem, supostamente por falta de argumentos financeiros por parte do Benfica, conforme terá dito o seu empresário; Karagounis um dos poucos virtuosos do plantel rescindiu o contrato sem que o clube fosse ressarcido (?!); Rodolfo Moura, um fisioterapeuta de reconhecida capacidade, resolveu bater a porta por não concordar com o novo organigrama do departamento médico.
Há quem diga que estamos mais fortes. Tenho grande receio de que isso não seja efectivamente verdade. Continua a haver graves lacunas no plantel e embora LFV diga que estamos no mercado à procura dos jogadores que nos fazem falta, o que é certo é que os dias passam e os reforços continuam sem chegar. Se bem me recordo foi prometido que o Benfica iria iniciar a época com a questão dos reforços resolvida. Mais uma vez estamos perante uma promessa que não é cumprida. É bom não esquecer que já não falta assim tanto tempo para a pré-eliminatória da Liga dos Campeões e convinha que para esse jogo nos apresentássemos na máxima força sob pena de termos alguma surpresa desagradável. Depois não venham falar em azares e perseguições da arbitragem.

sexta-feira, junho 29, 2007

Os reforços encarnados

A julgar pelos comentários, a maioria dos adeptos benfiquistas anda encantada com as contratações que o Benfica fez até ao momento, apesar de não conhecerem as capacidades futebolísticas dos novos jogadores. Aprovam-nos, mesmo sem nunca os terem visto jogar, o que não deixa de ser curioso. O meu cepticismo não me permite esses estados de fé. Sigo a velha máxima: "Ver para crer". Pelo que vi fazer ontem a um dos reforços confesso que não estou muito entusiasmado.

Tem de render mais

O jogo de ontem frente à Colômbia não correu de feição a Cardoso. Face ao valor investido na sua contratação esperava-se muito mais do paraguaio. É verdade que a forma de jogar do Paraguai, não favorece as suas características mas mesmo isso não justifica tudo. Numa primeira avaliação fica a ideia de que estamos em presença de um jogador robusto, técnicamente limitado - o seu pé direito é cego - e com pouco poder de drible. Numa equipa que jogue em ataque continuado, como é o caso do Benfica, é bem provável que o seu rendimento seja bastante superior dado o seu potencial físico e o seu aparente bom jogo de cabeça. De qualquer forma foi apenas um jogo. Há que vê-lo em acção mais vezes para se ter uma noção clara do seu valor. Falhou no 1º teste mas pode ser que venha a ter sucesso no exame final.

quarta-feira, junho 27, 2007

É desta que construímos um plantel maravilha?

A pré-época está prestes a iniciar-se. No Benfica os últimos reajustamentos estão a ser feitos por forma a iniciar-se os trabalhos com o plantel completo ou quase. Cardoso. Bergessio, Zoro e Fábio Coentrão já se encontram contratados. Outros se seguirão. Veiga tenta a continuidade de Miccoli, e caso venha a ter êxito nesta importante operação ainda ficam por preencher algumas lacunas que, na minha opinião, seriam: um lateral direito, um médio ofensivo e um guarda-redes.
Volto a insistir na necessidade de termos um keeper de créditos firmados dado que os que lá temos não nos dão as necessárias garantias. Equipa com as ambições do Benfica está obrigado a ter no seu plantel um guarda-redes de top. Infelizmente parece que essa não é a ideia dos dirigentes encarnados. A confirmar-se, acho que fazem mal.
Um lateral direito que faça concorrência a Nélson é outra prioridade. Espero que Zoro não venha a ser a opção: seria mais uma adaptação que como todos sabemos não tem servido os nossos interesses.
Por último, a necessidade de termos um médio ofensivo que não só saiba organizar mas que apareça também na zona de finalização.
Os próximos dias serão decisivos. Esperemos que, finalmente, saibamos construir um plantel que nos dê a esperança de grandes conquistas na temporada que se avizinha.

segunda-feira, junho 25, 2007

Até que enfim um campeonato ganho!


O futsal do Benfica está de parabéns. Foi a única modalidade que nos deu a alegria de sermos campeões. Só por isso merecem todo o nosso reconhecimento. Além disso, fizeram o pleno ao longo da época - Campeonato, Taça de Portugal e Supertaça - dando ainda mais brilho à época desportiva. Na próxima temporada há que repetir a dose. Plantel para isso parece que vamos ter.

sábado, junho 23, 2007

Querem ver que vai ser mais um título perdido?

Mentalidade ganhadora precisa-se para os lados da Luz. Num jogo decisivo mais uma derrota. Desta vez foi no Futsal: a uma vitória do título, jogando em casa e com o apoio do público que não se cansou de incentivar a equipa, os homens vestidos de vermelho claudicaram novamente. Começa a ser sina no Benfica. Queremos ser grandes só que não conseguimos prová-lo dentro de campo. É triste, mas tudo se conjuga para mais uma época desportiva sem qualquer título conquistado. Se vier a acontecer é caso para nos sentirmos envergonhados.

quinta-feira, junho 21, 2007

Custou mas foi


Este já é do Benfica. Se vale ou não o investimento é coisa para se ver lá mais para a frente. De qualquer forma é bom que valha porque 9,1 milhões de euros não são propriamente "peanuts". Ainda para mais sendo um clube português onde como sabemos o dinheirinho é todo contado e muito bem contadinho.

quarta-feira, junho 20, 2007

Chamem os senhores do Guiness

Quinze dias na Argentina para contratar um jogador deve ser um record que envergonharia qualquer dirigente que se preze. Este facto parece não incomodar José Veiga que por lá vai ficando não se sabe exactamente a fazer o quê. Se isto for regra para a contratação dos outros jogadores que faltam ao plantel só daqui a três meses temos o problema resolvido. Perante este cenário, estranho que haja muito boa gente que fique revoltada com as declarações de Joe Berardo. Como se o homem não tivesse razão naquilo que diz.

segunda-feira, junho 18, 2007

Ainda se queixam do Fernando Santos

Consta por aí que, enquanto responsável pela formação do Benfica, António Carraça aufere a módica quantia de 25 mil euros mensais. Nada mau para quem ainda não conseguiu ganhar nada desde que chegou ao clube. Pelos vistos é o único que tem tirado proveito deste contrato. A diferença já vai em 600.000 euros. E promete continuar a avolumar-se.

domingo, junho 17, 2007

Goleada insuficiente

A goleada frente a Israel não chegou para nos qualificar. Não vale a pena carpir mágoas atirando as culpas para factores externos ao jogo porque a grande verdade é que nos dois primeiros jogos, em especial com a Bélgica, Portugal esteve muito aquém das suas possibilidades, não se exibindo à altura da qualidade dos seus jogadores, o que nos obrigou a chegar ao último jogo a depender de terceiros, algo que neste tipo de torneios nunca convém acontecer. Não sei se houve resultado combinado entre belgas e holandeses, é provavel que tenha havido, embora isso não sirva de desculpa, até porque se estivéssemos nas mesmas circunstâncias certamente que faríamos o mesmo. Infelizmente, foi mais uma oportunidade perdida de sermos campeões europeus. Têm sido várias as selecções de sub-21 com condições para atingir esse desiderato mas o que é certo é que, por este ou aquele motivo, falhamos sempre na hora da verdade. E sempre por culpa própria.